Monday, May 22, 2006

UM FINAL ALTERNATIVO PARA "O GUARANI"

A virgem e belíssima Ceci
Deslizava nas águas da ribeira
Ao lado do bravíssimo Peri
Em cima de uma folha de palmeira.

Juntos, eles sumiram no horizonte...
E, daí, ninguém sabe mais de nada.
Mas, sim, eu sei! Eu sei! Deixe que eu conte
O final desta história celebrada!

O casal aportou em terra estável,
Se encarou com desejo e com ternura
E Ceci percebeu, insofismável,
Que, em Peri, uma coisa estava dura.

"O que é isso, Peri, meu índio puro?"
-- Indagou a moçoila tão pudica;
Disse Peri: "Meu pinto que está duro
E eu desejo metê-lo em tua crica!"

Ceci, ruborizada, replicou:
"Por que dizes tamanho barbarismo?"
E Peri: "Novo tempo já chegou!
Ficou p’ra trás o tolo Romantismo!"

Mas Ceci, acanhada, não queria
Ceder aos vis desejos do tarado;
E, por isso, Peri, com rebeldia,
Satisfez seu desejo, assim, forçado.

Espancou a moçoila com violência
E ela desfaleceu, solta no chão;
Peri tirou da virgem a inocência
Permitindo fluir o seu tesão.

Peri pensou: "Por tempos desejei
Ceci; porém eu era um bom palerma;
Agora meus desejos saciei:
Lambuzei-a todinha com esperma!"

Mas Peri não se deu por satisfeito,
Ergueu enorme pedra sobre a bela
E com tamanha força e rude jeito
Esmagou a cabeça da ex-donzela.

O sangue pelo solo se escorreu
- Oh, tétrica tragédia tropical ! -
A morte de Ceci refloresceu
Em Peri sua fome canibal.

Peri mordeu as carnes tão macias
E as engoliu com gula antropofágica;
Deixou apenas ossaturas frias
Nessa história tão mórbida e tão trágica.

Peri gostou bastante da "comida",
Gostou das carnes brancas da senhora;
E traçou sua meta nesta vida:
"Comer" outras donzelas mundo afora.

2 comments:

Rogério Marques said...

Parabéns William,
Belo poema!
E como andas?

arli said...

Ai cara, não te conheço, mas a poesia e muito foda. Já li umas mil vezes.